Blog do Ineep

início           site institucional

Novo adiamento para ancoradas

Claudia Siqueira / Brasil Energia Petróleo      segunda-feira, 12 de agosto de 2019

Compartilhe esta página com seus amigos

Foto: Brasil Energia Petróleo.

 

Brasil Energia PetróleoA licitação da Petrobras para o afretamento de até três sondas ancoradas segue em aberto e longe do fim. A entrega de propostas para o lote 2, voltado a uma unidade para 400 m de lâmina d´água, foi novamente adiada, desta vez para o dia 30 agosto, enquanto o processo do lote 1 para sondas para 750 m permanece sem desfecho, mesmo quatro meses após o recebimento das ofertas.

 

O novo adiamento do lote 2 acontece sem que a Petrobras tenha feito nenhuma nova alteração no edital e no contrato ou recebido algum pleito das empresas de perfuração. A proposta, antes da última alteração, era de que as ofertas fossem recebidas no dia 7 de agosto, sendo que antes disso a comissão de licitação já havia aprovado outras mudanças no cronograma.

 

Diante da falta de informação e de explicação da Petrobras, prevalece a aposta de um novo adiamento do lote 2. Lançada no início do ano, a licitação para o afretamento de unidades de perfuração ancoradas está sendo conduzida sob o modelo de leilão reverso, tendo sido o primeiro processo de sonda realizado com base na metodologia, prevista nas regras da Lei das Estatais (13.303).

 

As ofertas do lote 1 foram apresentadas em abril. A Petrobras esperava que o modelo de leilão reverso fosse assegurar taxas diárias mais baixas, mas os valores ofertados ficaram altos, acima dos US$ 100 mil /dia a US$ 120 mil/dia estimados pela comissão de licitação. Os valores superaram até mesmo o preço assegurado pela companhia na licitação para o afretamento de uma sonda de 2,4 mil m destinado ao BM-S-11, que teve contrato assinado com a taxa de US$ 160 mil/dia.

 

A Brasil PGP (Shandong Offshore) e a Constellation apresentaram as menores taxas diárias, com propostas de US$ 168 mil/dia para o navio-sonda Tiger III e US$ 168,9 mil/dia para a semissubmersível Gold Star, respectivamente. A Brasil PGP também assegurou o terceiro melhor lance, com a taxa de US$ 178,5 mil/dia para o navio-sonda Tiger II.

 

A Petrobras recebeu ainda outras cinco propostas na licitação, com taxas variando de US$ 206,5 mil/dia a US$ 396,9 mil/dia. As ofertadas foram apresentadas pela Noble, com a Paul Romano Frigstad/COSL (North Dragon), Constellation (Lone Star), Petroserv (SSV Victoria), e Ocyan (Norbe VI).

 

As altas taxas do lote 1 e o silêncio da Petrobras sobre o processo fazem crescer especulações de mercado sobre um possível cancelamento da licitação. Passados quatro meses da abertura das propostas, algumas das sondas ofertadas já estão comprometidas com outros projetos.

Comentários


O que você procura?


Últimas Postagens



Nota editorial

Os textos publicados neste blog são de responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a linha programática e as opiniões do Ineep. A função do blog é divulgar os principais fatos e notícias do setor petróleo e, quando oportuno, analisar assuntos relevantes. São essas análises, elaboradas pelo Ineep, que apresentam a opinião do Instituto sobre os mais diferentes assuntos debatidos na conjuntura setorial.