Blog do Ineep

início       análises      site institucional

Petroleiras estimam demanda de mais de 1,2 mil poços até 2023

Gustavo Gaudarde / EPBR      terça-feira, 10 de setembro de 2019

Compartilhe esta página com seus amigos

Foto: O Petróleo.

 

EPBR - Os planos de investimentos das operadoras com blocos exploratórios e campos de produção contratados no Brasil preveem a perfuração de 818 poços em terra e 393 poços marítimos entre 2019 e 2023. Os dados passaram a ser publicados pela Agência Nacional do Petróleo e Biocombustíveis (ANP) na semana passada.

 

Se realizados, os aportes em poços de exploração são da ordem de R$ 3,2 bilhões em 2019 e totalizam mais de R$ 130 bilhões em perfuração e completação até 2023, quando incluídos os projetos de produção. O total estimado para o período é de R$ 326 bilhões, com todos os investimentos em plataformas, sistemas de coleta e outras despesas.

 

O levantamento da agência leva em conta os programas de investimento plurianual enviados, obrigatoriamente, pelas petroleiras e os compromissos firmados nos contratos de exploração.

 

As estimativas, portanto, estão sujeitas a alterações. O adiamento de uma plataforma de produção, a gestão de contratos de sonda e serviços de poços, por exemplo, podem deslocar o cronograma dos projetos em desenvolvimento.

No caso dos ativos na fase de exploração, há projetos em que os investimentos superam as obrigações mínimas previstas nos contratos, mas os cronogramas podem ser afetados por problemas de licenciamento, para citar um motivo.

 

Novos poços

Para 2019, a previsão é que sejam perfurados 169 poços em terra e 78 no mar. Até a primeira semana de setembro, contudo, foram perfurados apenas 80 onshore e 24 offshore.

 

O levantamento da ANP prevê a perfuração de 16 poços de exploração no mar e 23 em terra. Até setembro, foram iniciados cinco no mar e 11 em terra. Apenas Equinor, Petrobras e Shell estão explorando no offshore brasileiro.

 

A Equinor está com a campanha em Carcará e Shell, no Sul de Gato do Mato, projetos no pré-sal da Bacia de Santos. Petrobras retomou o projeto em águas profundas da Bacia de Sergipe, onde busca um sócio para desenvolver reservas gigantes de petróleo e gás natural.

 

A maior parte da demanda está nos campos, com perfis diferentes: em terra, os trabalhos são, em sua maioria, nos ativos maduros, especialmente da Petrobras, na Bacia Potiguar. São campos que demandam grandes números de poços para manter o patamar de produção.

 

No mar, a demanda ainda está concentrada no desenvolvimento dos novos campos offshore. Petrobras e Total E&P perfuram em Santos (pré-sal) e Equinor e Shell, em Campos (pós-sal).

 

No levantamento da ANP, há previsão de entrada em operação de quatro plataformas este ano e mais dez entre 2020 e 2023, que vão demandar os 315 poços que constam na previsão. Este ano, Petrobras iniciou a produção da P-67 (Lula) e P-76 e P-77 (Búzios). Está prevista a P-68 (Berbigão).

 

Além das novas plataformas, a previsão de poços está associada ao desenvolvimento (ramp-up) de sistemas já instalados, como é o caso do FPSO Cidade de Caraguatatuba, no campo de Lapa, que teve a operação assumida pela Total E&P.

 

 

No onshore, pico em 2022

Em terra, a maior campanha de exploração é da Eneva, no Parnaíba, que iniciou cinco poços de exploração este ano. A companhia tem planos de emitir R$ 1 bilhão em debêntures de infraestrutura para investimentos exploratórios e no desenvolvimento de campos de gás natural, integrados à geração de energia, no Maranhão.

 

Alvopetro e Imetame (Recôncavo), BGM (Espírito Santo) e Rosneft (Solimões) completam a lista de empresas de empresas explorando o onshore brasileiro em 2019.

 

É impossível cravar que os investimentos previstos serão, de fato, realizados. Como a maior parte da demanda está nas mãos da Petrobras, uma mudança na estratégia da companhia, que regulamente adia projetos e revisa seu plano de investimentos todo ano, tem impacto no mercado total.

 

Ainda assim, há oportunidades no mercado brasileiro para pulverização de operadores, com projetos ainda não formalizados e, portanto, não capturados nesse levantamento da ANP. É o caso de empresas que compram campos da Petrobras, tanto em mar como em terra, e novos leilões marcados para ocorrer no período.

 

A epbr compila semanalmente a perfuração de novos poços, disponibilizada pela ANP, no Monitor da Perfuração, uma ferramenta gratuita de consulta e exportação dos dados. Os dados de 2019, até 7 de setembro:

 

²Sobre os dados

A partir de 5 de setembro, a ANP passou a fornecer as previsões anuais sobre atividades de desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural para os próximos cinco anos. Inclui a programação apresentada pelas operadoras para perfuração e completação de poços, levantamento sísmicos, e entrada em operação de plataformas. Consultas disponíveis no site da agência.

 

Explica a ANP:

 

As previsões de produção de petróleo e gás natural e de perfuração de poços de desenvolvimento e produção podem ser consultadas por campos marítimos, campos terrestres ou o total. Há ainda previsões de entrada de novas unidades estacionárias de produção (UEP) em mar e de investimentos no setor. As atividades exploratórias podem ser consultadas por ambiente: terra e mar.

 

As estimativas que a ANP está disponibilizando são realizadas a partir das previsões de atividades em blocos e campos e volumes de produção dos poços e campos declarados pelas empresas.

 

Em função das incertezas inerentes às variáveis consideradas, bem como à possibilidade de apresentação de atualizações e revisões destas estimativas pelos operadores, não há garantia de efetivação das estimativas ao longo do período simulado.

Fontes:
i) PAP – Programa Anual de Produção (Portaria ANP nº 100 de 20/06/2000);
ii) PAT – Programa Anual de Atividades (Portaria ANP nº 123 de 18/07/2000);
iii) Contrato de E&P – cláusula de PAT/OAT em fase de exploração.

Comentários


O que você procura?


Últimas Postagens



Nota editorial

Os textos publicados neste blog são de responsabilidade dos seus autores e não refletem necessariamente a linha programática e as opiniões do Ineep. A função do blog é divulgar os principais fatos e notícias do setor petróleo e, quando oportuno, analisar assuntos relevantes. São essas análises, elaboradas pelo Ineep, que apresentam a opinião do Instituto sobre os mais diferentes assuntos debatidos na conjuntura setorial.